02. a companhia


Em todos estes anos, sempre pensei em ter filhos, ser pai, ensinar-lhes tudo o que sei, em fazer o melhor que sei e mesmo o que não sei. Mas para isso seria necessário uma companheira, e tendo o feitio que tenho, as esperanças não eram muitas… Depois de várias aventuras de adolescente, de ter estado a 2 meses de me casar e já com casa comprada à mais de 1 ano, nunca conheci ninguém que podesse sequer imaginar em passar a minha vida com. Conheci pessoas completamente longe do que sempre sonhei como ‘mulher’, outras interessantes, mas o meu preconceito era maior e desisti de alguns sonhos, o que vale é que posso considerar uma dessas ‘mulheres’ como a minha melhor amiga e sinto-me privilegiado em a ter como amiga.

Num dia igual a tantos outros encontrei num café simpático uma rapariga simpática e extremamente bonita. Fui uma segunda vez ao dito café para tentar dar-me a conhecer mas não tive sequer coragem de abrir a boca… Então passados alguns dias e já com as esperanças de a poder conhecer melhor terem ido por água abaixo, fui chamado para reparar um computador, e não é que ela também trabalhava lá! Era muita sorte junta, mas não deixei a oportunidade fugir e fiz o que soube para me aproximar, e no final até a convidei para um almoço a dois, o qual levei um redondo ‘não creio que seja uma boa ideia’! Bolas, fiquei um pouco em baixo, mas disse para mim: tentei o que podia, não vou ficar chateado por isso, e continuei da mesma maneira. Acabei o serviço que tinha ido fazer e fui-me embora. No caminho para casa recebo uma chamada: “mudei de ideias, se quiseres ainda ir almoçar…”

Há quem tenha sorte, e até muita sorte, mas nesse dia, bati todos eles aos pontos 🙂
Levei-a a almoçar e não posso dizer que estive muito bem, mas a verdade é que depois de a levar a casa, ela não se importou de sair uma vez mais…
Dali até começar-mos a namorar foi um tiro. Ela era tudo o que sempre quiz, brincalhona, bonita, adorável, compreensiva e além de tudo, amiga.
Depois de falarmos e eu descobrir que a vontade de estar em Portugal era tanta como a minha, expliquei-lhe a minha ideia a qual concordou prontamente. E foi então que a ideia de tentar uma melhor vida fora de Portugal passou de ideia a realidade.

Antes de partimos e por gostarmos tanto da companhia um do outro, decidimos dar o nó, apenas através do registo civil e que apenas contou com as testemunhas e os país dela. Foi engraçado e até hoje, orgulho-me do momento.

2 thoughts on “02. a companhia

  1. Estava pré-destinado 🙂 às vezes gosto de pensar assim.
    Eu e a minha cara-metade estámos juntos há 13 anos (vivemos juntos há quase 4) e agora, finalmente, depois de muito desejado, vem a caminho o nosso SOL.
    Ah, e já agora, gostei muito deste blog e vou passar a visitar. Mas tenho por hábito ler os blogs que gosto desde o seu ínicio, por isso, já vi que tenho muiiiiiito para ler. 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s