regressando a casa


com 1 dia de atraso, cheguei a casa, são e salvo… mas eu conto-vos tudo!

na 6ª feira à noite lá estive eu e a minha mãe a carregar o carro, depois com a chegado do emprego do E. éramos 3 a tentar meter o Rossio na Rua da Betesga, e não é que conseguimos??? fantástico! coube tudo, desde o meu monitor de 21 polegadas, às caixas cheias de cd’s / dvd’s, ao beliche, ao meu equipamento de windsurf (apesar do frio do inverno aqui no verão é óptimo para fazer windsurf e já conheço amigos que fazem) e até a um bidé dado pela minha querida a amiga M. (aqui ninguém o usa, dizem que é nojento – enfim, acham que devo de comentar??) – a mota ficou na garagem em casa da M. pois não encontrei atrelado pelo preço que estava disposto a pagar e novo eram 600,00 Euros na Norauto – muito bom, mas com o preço disto veho de novo a PT com a S. e regressamos de mota, dá para pagar a viagem e passar 2 semanas de férias junto dos amigos.

e metemos isto tudo num carro que antes de vir para a DK comprei por 500,00 € (sim quinhentos!) pois era um carro com destino o meu sogro que estava cá a viver connosco em Cascais mas quis o destino que depois de ter perdido a carrinha me fizesse o favor de me trazer de volta à Dinamarca.

getting ready!
[em cima: a “máquina que me levou a casa]

continuando…

meti-me a caminho na 6ª à noite com destino a casa dos meus primos em Viseu onde fiquei um dia com eles e consegui comprar queijinhos da zona para poder papar cá com a nova família, no Domingo às 06.00 lá acordei, e com o pequeno almoço tomado lá me meti ao caminho com a Dinamarca como destino, eram 07.00h

assim que passei Vilar Formoso enchi o depósito para só o voltar a encher à saída de Espanha pois já sabia que em França os preços eram muito mais altos e havia que poupar.

Espanha é como todos sabem um sacrifício passar, mas só até entrar no País Vasco (Euskadi), aí o cenário é outro e é simplesmente maravilhosa toda a região do País Vasco, aquela estrada nacional por entre as montanhas é de voltar lá … de mota 😉

apesar da chuva em PT, por esta altura fazia muito calor que em França descobri que era à volta dos 30/35ºC.

30ºC in France
[em cima: 30ºC em França]

como o meu dispositivo de GPS deixou de funcionar 3 dias antes da partida eu andava via Mapa de estradas o que me deu uma certa nostalgia e até achei bom, não mais que bom pois o mapa não tinha as estradas todas e enganei-me algumas vezes 😦 – é complicado quando estamos a evitar portagens e algumas estradas boas não aparecem no mapa!

entrando em Hendaye e como andava à procura de placas a dizer algo como Bordeux ou Biarritz, não encontrei e lá fui por dentro da vila, que até adorei e parei para apanhar um pouco de sol e tirar umas fotos, mas lá fui até Tours pelas nacionais, depois de tanta rotunda, semafros e o pára arranca destes, disse para mim mesmo, ando aqui a poupar a portagem mas a gastar gasolina nestes pára-arrancas! Conclusão, em Tours meti-me na AE com destino a Paris (preço final 19.20 € valeu bem o dinheiro!).

o que queria era passar Paris antes de parar para dormir um pouco que nesta altura já levava 15 horas de condução, mas tal como na 1ª viagem não aguentei e parei antes a 90km de Paris para dormir 5 horinhas, metendo-me novamente ao caminho às 05.00 e assim evitar a confusão de entrar em Paris numa 2ª feira ! Lá consegui dar com os caminhos em Paris (e sem GPS, é obra!) com tantas placas e caminhos e mais estradas é mesmo uma confusão autentica! Mas tudo correu pelo melhor e claro, meti-me na AE errada à que queria, e assim sendo em vez de ir mais directo ainda fui pela AE de Lille (para Norte em vez de Este) mas depressa descobri que podia tambem fazer assim, perdendo mais uns kilómetros, mas nada de importante.

a entrada e saída da Bélgica ficou apenas marcada pelo tempo (rapidinho) e pelos preços astronómicos dos combustíveis! E eu a pensar que era mais barato na Bélgica! que BURRO que fui! aquilo é mais caro que na França! bem que lá podia ter enchido o depósito.

fill up in Germany
[em cima: a única coisa que foi preciso meter na “máquina” – gasolina!]

a entrada na Alemanha foi muito boa, e aqui já se começa a ver carros na qual podemos chamar de carros a sério, enquanto na França o carro que mais vi foi a Renault Scenic aqui os carros eram outros e até 2 Mercedes SLR eu vi !!! bolas e como andam! como nas autobahn não há limite de velocidade (apenas em certas zonas e aí até o mais rápido deles todos reduz até à velocidade limite) até dava gosto ver tantos Audi’s e Mercedes 🙂

só no norte da Alemanha (depois de Bremen) é que veio a chuva e só parou quando cheguei à fronteira com a Dinamarca, optei por apanhar o ferry que liga o Norte da Alemanha com o Sul da Dinamarca deixando assim de pagar quase 28 Euros de portagem e fazer mais cerca de 300Km e assim sendo paguei 56 Euros pelo Ferry (carro com até 9 pessoas) e demorei na travessia 40 minutos, e claro, o ferry tinha café, retaurante, shopping, etc 🙂

via Odense

Costs 68.97 EUR
Toll costs: 27.47 EUR
Petrol costs: 41.50 EUR

via Ferry:

Costs 26.01 EUR
Toll costs: 0.00 EUR
Petrol costs: 26.01 EUR

[dados do Via Michelin]

é quase ela por ela, mas de barco é muito-mais-melhor-bom…

Ferry D > DK
[em cima: o Ferry para chegar à Dinamarca]

chegádo ao país pelo qual troquei PT, foram apenas precisos 130Km para estar em casa e dar uma alegria muito grande à Esposa que no ferry lhe liguei a dizer que ainda estava em Dortmund (Sudoeste da Alemanha) 🙂

e assim percorri 3100Km desde Lisboa, PT a Strøby, DK.
e assim fiz com que depressa voltarei para buscar a mota 😉 talvez daqui a 2 anos.

mais fotografias da viagem no espaço do FlickR, ou cliquem aqui para verem o slideshow.

o percurso da viagem:

[P] Lisboa, Coimbra, Viseu, Vilar Formoso
[E] Ciudad Rodrigo, Salamanca, Valladolid, Burgos, Vitoria, Donastia
[F] Hendaye, Bayonne, Bordeux, Angoulême, Poitiers, Tours, Orléans, Paris, Cambrai, Valenciennes
[B] Mons, Charleroi, Liège
[D] Aachen, Dusseldorf, Dortmund, Munster, Bremen, Hamburg, Lubeck, Fehmarn (Ferry)
[DK] Rødby, Vordingborg, Køge, Strøby

total: 3.150 Km

5 thoughts on “regressando a casa

  1. fico feliz por ver que fizeste uma boa viagem e que chegaste bem.

    só o senão de não teres conseguido levar a mota, e ainda por cima que daquí a dois anos tens de montar um side-car pois já serão 3 com o gozo de andar de mota.

    fiquem bem e que daqui por diante tudo vos corra bem melhor do que até aqui pois bem merecem.

    abrç e bjs

  2. acabaste por anao passar na holanda!

    quero e ver como e que daqui a dois anos vais fazer uma viagem tao grande com um bebe! eu nao consigo viagens mais longas do que um lisboa algarve, sem vomitos e muita berrarria!

    jinhos

  3. Assim todos nós desejámos-te boa viagem (amigos e família), assim aconteceu. Óptimo. Gostei da tua presença, aqui. Gostei da tua chegada, aí. rsrs
    Eu a falar com a S. e tu a ligares que já tinhas chegado. rsrs A S. até se passou!!!
    Bem ainda consegui dizer-lhe que dormias na Alemanha. Dasssssss

    Um grande abraço e, que mais esta etapa até a Catarina chegar, seja produtiva de afazeres e de felicidades, porque depois.. vais ver o que é descansar e trabalhar!
    eheheheh
    Mas como diz o ditado, “quem corre por gosto não..”.
    Abraços para todos. (jl)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s