Nós

Lamento o estar imenso tempo sem escrever, mas o tempo tem sido pouco, já que o ano passado investi fortemente num projecto em que me saí tão bem que estou de novo nele, isto faz com que todos os momentos disponíveis, e ainda mais alguns pois há sempre aquelas noites sem dormir em que me perco no meu mundo, o da programação…

Vivendo no campo, poucas ou raras vezes vamos à cidade e passamos ao lado de qualquer politica a não ser que se note no preço das compras, e ultimamente notámos um ligeiro aumento derivado das novas leis alimentares que fazem com que os produtos com uma percentagem de gordura superior a 2,3% tenham um maior imposto, para comermos comidinha mais saudável… e onde já se nota um decréscimo de consumo de tais produtos em cerca de 1/3.

Entretanto a nível electrónico, a S. finalmente apanhou o vírus da Apple e assim que o novo iPhone saiu (no final de Outubro) encomendou logo online, 2 dias depois já fazia consultas à Siri :o)

Onde está o meu marido?
Onde está o meu marido?

É um serviço extraordinário, entende imenso do que estamos a dizer, e pela primeira vez, não temos de dizer palavras chave do tipo “liga” + “numero” + “…”, um simples “liga para o meu marido” é mais que suficiente.

Daqui a 6 meses quando acabar de pagar o telefone, está a pensar em adquirir um MacBook Air pois o Mini Dell que lhe ofereci à uns anos atrás, pifou, e saí quase tão caro arranjar como comprar um novo.

Filhotes

Uau! o A. está cada vez mais apetecível, e… ao contrário da C. nesta idade, adora-me! E sabe tão bem brincar com ele, por-lhe a dormir, ir buscar-lo ao infantário e ver ele super feliz por me ver …. aíiiii e os abraços dele! São fantásticos.

Anjinhos

A C. parece mesmo uma senhorinha quando não se perde em choros 🙂 Nota-se que precisa de mimos, e nós temos a tendencia de a encher com eles, mas às vezes parece que ainda não é suficiente.

Todas as quartas-feiras vai à ginástica e gosta muito, o A. também mas como é mais pequeno, brinco com ele à apanhada enquanto a C. corre com os outros meninos. Ao ínicio sentia-se, naturalmente, envergonhada por ter de estar com tantas crianças entre elas muitas que não conhece, mas agora, desde 5a feira a 3a feira não pára de repetir que na 4a feira é dia de ginástica 😀 e no dia … ui, fica imensamente feliz e pergunta-me sempre se a vou buscar rapidinho para poder ir à ginástica 🙂

No Video acima podem ver o “aquecimento” enquanto os rapazes que monitorizam a coisa estão a construir a pista de obstáculos.

Obras

Com o tal projecto a dar algum lucro, decidi remodelar a casa de banho, contanto com a ajuda do Dudu que quando cá vem pelo batizado do A. deu-me umas ideias e acabei por ver que até que vai funcionar muito bem… é só preciso tempo, pois vontade já a tenho… assim que acabar este projecto (no final de Dezembro), começo com as obras de remodelação. Logo depois vou vos dizendo com faço… uma vez que já fiz tanto naquela casa e que não sei fazer nada a não ser mexer nos computadores… será mais uma aventura 😀

Tempo

Tenho tambem recebido imensos pedidos de informação sobre a Dinamarca, ora por aí, ora pelo Facebook, ora por email directo… o que posso dizer neste momento é o Tempo não ajuda, nós cheguamos cá em Fevereiro de 2006… estamos em 2011! Já na altura vi o “nosso” futuro como Portugês e não gostei nem um bocadinho, olhei para mim mesmo e disse que tinha de fazer algo mais, o não ter filhos ajuda a procurar e a fazer escolhas pois só dependemos de nós próprios… isto foi em 2006, quando nem a crise existia na Dinamarca, mas estava bem implementada em Portugal, mas todos os meus amigos me diziam que estavamos muito bem, pois há muito pior… era mesmo eu que não me conformava com a coisa. O Tempo tem destas coisas, é bom para uma altura, é mau noutras… hoje em dia, é preciso mais que um bocadinho de sorte para encontrar um emprego aqui, é preciso algo que não vejo nos Portugueses, pois os anos levou-nos a ser-mos “cumodistas”, a não “lutar” pelo que queremos, apenas termos o “desejo” de querer achamos que já está tudo feito.

E depois, como se não bastasse apenas “querer” e não fazer mais nada, vimos para um país completamente diferente dos habitos latinos, completamente diferente em todos os modos e feitios … com a nossa mentalidade “Tuga”, é aqui que me encho de raiva e só me apetece gritar “Mas se saiste porque não tavas bem nem gostavas, porque é que estás a fazer tudo como se lá estivesses?!!!” Arrrgggghhhh

Pergunto eu, se vamos pegar em qualquer problema que apanhemos cá, da mesma maneira como se tivéssemos em Portugal… qual é mesmo a razão por deixar família e amigos para trás? Não é para “mudar”? Não é para sair do que estávamos habituados?

Se é para falar com tudo o mundo da mesma maneria…
Se é para tentar encontrar emprego da mesma meneira…
Se é para fazer tudo da mesma maneira…

Porquê  sair?

Isto é apenas um desabafo dos emails que recebo, das conversas com amigos e afins …