Portugal à vista

bem, estando impacientemente à espera do dinheiro do seguro na minha conta não é tarefa fácil, pois todos os dias que lá vou ver o saldo continua pequenino como sempre, e já passou muito tempo desde o acidente e tudo o que é papel já foi assinado e enviado, e assim o que sobra depois de pagar o restante valor que ainda estava pendente da carrinha dá para trazer o meu outro carro (Ford Escort station 1.4) de 1991, eheheh, mesmo antigo, mas foram 500 Euros, por isso não me posso queixar muito 🙂

e claro, não podia deixar de ser, trazer a mota! a minha queria mota que tanta falta me faz aqui, para que agora consiga andar ao pé deles e dizer, “vês, eu também tenho mota, não és só tu” ehehehe.

agora só as vejo passar e cada dia que o sol abre mais um bocadinho lá estão elas em peso e que bem que andam! nada de passar entre os carros, nada de corridas, apenas… motas.

conclusão, ando numa azafama a tentar descobrir um transitário baratinho para me trazer o carro num camião, mas os custos são mais que muitos e gasto bem menos se vir com o carro… (o valor mais barato… e até Hamburgo, são de 860 Euros)… de gasóleo na carrinha gastei 250 euros até à Dinamarca!!! mesmo sendo a gasolina mais cara e que o carro também gaste o mesmo que a carrinha… acho que poupo dinheiro!

mas assim que tenha o dinheiro do seguro já marco viajem e vou visitar os amigos e amigas, e ver se vou à praia, eheheh…

a S. não vai poder ir, pois a barriga já está enorme e o médico não recomenda viagens grandes como esta, mas ficará para a próxima!

“amigos e amigas … me esperem que já vou a caminho” eheheh

P.S. a data não é definitiva, mas estou a apontar para o fim de semana de 9 e 10, chegando a dia 5 e saindo a 13…

03. a partida

Casado e com uma ideia fixa, chegou o momento de colocar tudo em movimento e dar asas a todos os planos que tínhamos traçado.

Depois de escolhermos o que podíamos (leia-se queríamos) levar, de empacotarmos tudo, descobri que por muito grande que o meu carro fosse, não dava para levar nem um terço do que tínhamos escolhido… foi então que decidi fazer uma visita a um concessionário que tinha um atrelado de carga para venda o qual adquiri prontamente. No fim de termos enchido o atrelado e o carro, nos despedirmos de todos que nos eram mais queridos, partimos em direcção a Viseu, onde tenho família e como iríamos pela fronteira de Vilar Formoso, decidimos pernoitar em casa deles, dando assim também nos despedirmos deles.

[em cima: o nosso meio de viagem com todos os nossos
pertences que conseguimos enfiar na carrinha e no atrelado]

Dia 22 de Fevereiro de 2006 será a data que vamos recordar pois foi nesse dia que iniciámos a nossa nova vida, apesar de ter sido no dia seguinte que passámos a fronteira para não voltar a não ser de férias.

A próxima paragem seria Roterdão, na Holanda.